2016-08-22 - UE LÍDER MUNDIAL NO DOMÍNIO DA AJUDA HUMANITÁRIA


Todos os anos, em 19 de agosto, a UE junta‑se aos que honram o contributo inestimável dos trabalhadores humanitários que arriscam a vida quotidianamente para salvar a vida de outras pessoas. O Dia Mundial da Ajuda Humanitária assinala o aniversário do atentado à bomba de 2003 contra a sede das Nações Unidas em Bagdade, no Iraque, em que 22 funcionários de organizações humanitárias foram assassinados.


juntamente com o financiamento concedido pelos Estados‑Membros da UE, a União Europeia é o maior doador mundial de ajuda humanitária. Em geral, a ajuda humanitária a partir do orçamento da UE apoiou, em 2015, mais de 134 milhões de pessoas afetadas por catástrofes naturais ou conflitos em mais de 80 países em todo o mundo.

A AR/VP, Federica Mogherini, e o Comissário Christos Stylianides fizeram a seguinte declaração:
«As trágicas imagens de crianças de Alepo, na Síria, mostram de forma infelizmente muito clara o verdadeiro sofrimento dos milhões de pessoas em todo o mundo vítimas de crises humanitárias.
Tal como a União Europeia, já ontem reiterámos a necessidade urgente de todas as partes no conflito restabelecerem a cessação das hostilidades, assegurarem o levantamento de todos os cercos e permitirem o acesso da ajuda humanitária a todas a pessoas que dela precisam na Síria.
Estamos em estreito contacto com o Representante Especial das Nações Unidas, Staffan de Mistura, com o objetivo de apoiar as medidas que permitam às organizações humanitárias prestar assistência pré-hospitalar e encontrar uma solução política para o conflito.
Hoje, Dia Mundial da Ajuda Humanitária, prestamos uma homenagem especial e honramos todos os trabalhadores humanitários em todo o mundo que trabalham para ajudar as pessoas que precisam.
Honramos a memória de todos aqueles que sacrificaram as suas vidas para salvar as vidas de outras pessoas. Honramos todos aqueles que arriscam as suas vidas para prestar assistência às vítimas de guerras e de catástrofes naturais em todo o mundo.
Cerca de 4 000 trabalhadores humanitários foram vítimas de ataques graves desde que se começaram a efetuar registos em 1997. Infelizmente, mais de um terço morreram, pagando assim com a própria vida o serviço prestado à humanidade.
Não devemos esquecer o seu sacrifício. Devemos reforçar a nossa compreensão e respeito pelo direito internacional humanitário e pelos quatro princípios humanitários: humanidade, neutralidade, imparcialidade e independência. Reafirmamos o nosso empenho em defender o direito humanitário internacional e os princípios que devem constituir a proteção dos trabalhadores humanitários no exercício da sua atividade e assegurar o acesso às pessoas que mais precisam.
No ano passado, a Comissão Europeia mobilizou o orçamento de ajuda humanitária mais elevado de sempre para prestar assistência às pessoas com mais necessidades. Desde as vítimas dos conflitos na Síria e no Sudão do Sul até ao reforço do nosso apoio em matéria de educação em situações de emergência ou a ajuda aos mais afetados pelo impacto meteorológico extremo «El Niño», a nossa ajuda tem socorrido as pessoas mais vulneráveis.
A União Europeia orgulha-se de ser o líder mundial da ajuda humanitária e de ter ajudado mais de 134 milhões de vítimas de catástrofes naturais ou provocadas pelo homem em mais de 80 países em 2015.».


Para mais informações:
http://europa.eu/rapid/press-release_STATEMENT-16-2801_pt.
http://europa.eu/rapid/press-release_MEMO-16-2802_pt.

Voltar
 
© 2013 - Oficina - Escola Profissional do Colégio das Caldinhas by gobox.pt
Financiado pela União Europeia